Skip navigation

Monthly Archives: agosto 2014

Uma coisa tem martelado na minha cabeça.

“E chamou o Senhor Deus a Adão, e disse-lhe: Onde estás?” – Gênesis 3:9

Quando Adão e Eva pecaram no Éden, a primeira coisa que fizeram foi se esconder. Primeiro, se esconderam um do outro. “Cobriram as vergonhas”. Acho particularmente interessante quando textos mais antigos falam de nudez como vergonha (apesar de nesse texto não falar, mas acho que acrescenta). A nudez não é vergonha por ser errada. A nudez é vergonha exatamente por expor todas as vulnerabildiades. Depois, esconderam-se entre as árvores do jardim.

Aí Deus pergunta: “Onde estás?”

Ué, Deus não é o oniciente? Acha que Deus não sabia onde Adão estava? Sabia, mas de que adiantaria expor Adão? Se Adão não reconhece a própria condição, o que vai adiantar acusá-lo? Mas, se Adão sai do “esconderijo”, tudo muda de figura.

Há algum tempo, eu assisti uma pregação do Sandro Baggio, da Projeto 242, e ele disse, super bem embasado (apesar de eu não lembrar de quem ele citou), que, na verdade, não era o homem que buscava Deus, mas era Deus que buscava o homem. Isso fez completo sentido pra mim, não no sentido de Deus não saber onde eu estou, mas no sentido de eu me deixar encontrar. Eu preciso sair do meu esconderijo e aí Deus vai me encontrar. Eu preciso desamarrar meu coração. Eu preciso me desimpedir. Não falo de vícios, de comportamentos. Falo de alma. Eu tenho que me abrir, me disponibilizar.

Da mesma maneira, quem sou eu pra sair apontando dedo pras pessoas? Pra querer dizer como as pessoas vivem as vidas delas? A vida é delas! Elas que decidem o que acham que é melhor. Minha responsabilidade como cristão é ser imitador de Cristo. É viver segundo o que Jesus Cristo ensinou. Eu duvido que os crentes da igreja primitiva saíam em cruzadas evangelísticas. Duvido de coração. Eu acho mesmo é que eles viviam o evangelho deles, perseverando na doutrina e na comunhão, no partir do pão, nas orações. A Bíblia diz, em Atos 2:47: “e caíndo na graça de todo o povo”. As pessoas gostavam deles e isso era o testemunho deles. Quem vivia ao redor via o evangelho. Daí, o mesmo Atos 2:47 já diz o que acontece: “E o Senhor lhes acrescentava todos os dias os que iam sendo salvos”.

Eu ouvi esse fim de semana o testemunho que dizia da prostituta que ofereceu o primeiro pedaço de bolo de aniversário pra Jesus e pediu ao missionário junto dela comer o tal pedaço porque “ela viu Jesus nele”. É esse o cristianismo que eu quero. Eu já não acredito em bater na porta de estranhos e falar de uma ideia de Jesus e ir embora no fim do dia e esqucer aquelas pessoas. Eu não acredito em eventos de colheita, em show gospel. Eu acredito num evangelho que mostra Jesus no meu estilo de vida. E quem quiser, que venha junto.

Isso muda o mundo.